Livro é um antídoto à boçalidade do Escola sem Partido

Por Silvia Barbara*

Lançado no início de novembro pela ONG Ação Educativa, o livro “A ideologia do movimento Escola Sem Partido – 20 autores desmontam o discurso“ reúne artigos escritos por professores e outros profissionais ligados à Educação. O trabalho foi organizado pelo professor Roberto Catelli Jr.

Além de 18 artigos, há uma anexo no final do livro que resume a trajetória do Escola Sem Partido e mostra os seus principais personagens. Começar a leitura pelo anexo ajuda a contextualizar o assunto.

No conjunto, os autores mostram o movimento em diferentes perspectivas e ao final confluem para o mesmo objetivo, tão bem expresso no subtítulo do livro: desmontar, com argumentos sólidos, o discurso do ESP.

Os artigos falam da inexistente ‘neutralidade’ no conhecimento científico e da ausência de evidências empíricas para fundamentar as acusações contra os professores. Abordam a campanha irresponsável contra os livros didáticos (que, por vezes, camufla a disputa comercial entre grandes grupos editoriais e educacionais). Denunciam a desqualificação profissional e incitação de ódio contra os docentes e também analisam os efeitos deste movimento sobre os alunos e suas famílias.

O livro tem uma outra virtude: ele transcende o seu objetivo inicial para discutir o papel da escola e a natureza da educação escolar ou formal.

De plural e neutro, o movimento não tem nada. O Escola Sem Partido defende o controle dos conteúdos, condicionando-os aos princípios e valores morais – inclusive religiosos – das famílias.
Propositalmente, embaralha as esferas pública e privada e tenta suprimir da escola suas atribuições e responsabilidades e sua própria identidade. Essa abordagem, presente em diversos artigos do livro, extrapola até mesmo os limites do ESP e deve se constituir num debate permanente nas salas de professores e nas reuniões pedagógicas.

E se ainda falta um argumento para recomendar a leitura deste belo trabalho, aqui vai: a sua qualidade é um contraponto à boçalidade discursiva do Escola Sem Partido.

*Silvia Barbara é professora do ensino médio e diretora do Sindicato dos Professores de São Paulo.
______________________________

Não há comentários ainda

Deixe uma resposta